APRESENTAÇÃO PÚBLICA do programa Matosinhos Independente Liderado por Joaquim Jorge

fb-share-icon0

Total de Visualizações 2,383 

Decorreu com a presença de muitos apoiantes a  22 de Abril 2021 , quinta-feira, pelas 18h no Sea Porto Hotel –
a APRESENTAÇÃO PÚBLICA do programa  Matosinhos Independente

O Matosinhos Independente é um movimento apoiado pela Plataforma de Candidatura à CM Matosinhos 2021. Liderado por  Joaquim Jorge

Entre os muitos presentes estiveram :

Joaquim Jorge, biólogo e fundador do Clube dos Pensadores
Joaquim Massena, arquitecto e coordenador do programa
Mário Russo, engenheiro e especialista em Ambiente
Liliana Vaz de Carvalho, veterinária e defensora dos animais
Maria Lídia Viterbo, primeira subscritora do movimento e professora de Português
Manuel Coelho, empresário e coordenador de proximidade

O Matosinhos Independente tem a preparação para oficializar a candidatura pronta.

MATOSINHOS TEM ALTERNATIVA AO PODER

Esta 5.ªfeira foi feita a apresentação pública do programa do Matosinhos Independente, no Sea Porto Hotel em Matosinhos.
Joaquim Jorge, fundador deste movimento salientou, que “parte do princípio que as pessoas com mais valor estão em casa”. O repto é, “fazer ver às pessoas que é importante participarem como entenderem”. Joaquim Jorge tem-se apercebido que “as pessoas não querem nada com a política”. Rematando, “as pessoas desconfiam, não querem saber e a crise económica não lhes permite ter tempo e paciência”.
Na sua intervenção referiu que, “está ciente do grau de dificuldade que é lutar contra um partido hegemónico na sociedade portuguesa”. Em Matosinhos o PS está no poder desde o pós – 25 de Abril – este ano faz 45 anos.
Avançou dizendo,” em Matosinhos há cerca de 150.000 eleitores, só votam metade – cerca de 75.000 eleitores e o PS nas últimas eleições só teve 29.000 votos”.
Por fim, afirmou que “o programa é simples, prático, sem promessas do que não se pode cumprir e com a contribuição dos cidadãos de Matosinhos”.
Seguiu-se a intervenção de Joaquim Massena, arquitecto e coordenador do programa, entregou uma brochura do programa que contém os temas de reflexão: o ambiente e a natureza; o bem-estar das pessoas residentes e visitantes; a Cidade de Matosinhos como uma Cidade Cosmopolítica; as ações sociais, culturais e económicas; a mobilidade e as acessibilidades; a Reabilitação do Edificado; Equipamentos Geracionais – o Lugar; Fomento do Desporto – Recreio e Profissional; Cidade Colaborativa e Sociedade Inteligente.
Referiu que, “o concelho de Matosinhos é um território que durante longos anos teve uma relação com o mar e a indústria piscatória, mais recentemente a sua actividade principal é a imobiliária, mantendo, as questões da restauração alimentar e veraneio, ligada ao mar – a pesca e o lazer”.
Na alocução frisou que, “é preciso um novo olhar”, nunca esquecendo que, “nenhum humano vive sozinho!” e, “todos temos o direito e o dever, a construir o nosso Lugar Feliz”.
O Movimento, Matosinhos Independente, pretende junto das pessoas e de cada comunidade, abordar temas de interesse para o conhecimento e dar suporte ao contraditório e às propostas, evitando a uniformização recriando a identidade do Lugar por força da economia sócio-cultural.
O Matosinhos Independente vai fazer várias perguntas que julga dever colocar-se para que seja possível estabelecer o contraditório/proposta.
Mário Russo, professor do IPVC, responsável pela Ambiente e por uma Cidade Colaborativa, “sugere a implementação da plataforma Matosinhos Smart City, como um canal aberto de comunicação entre o poder autárquico municipal (Administração) com o cidadão em duas vias”. Sugeriu, uma Educação Eco-eficiente, com uma educação ambiental e sustentável no âmbito da Escola e sua comunidade. Acrescentando que, “é fundamental articular o ensino, a pesquisa e a extensão em parceria com as Escolas Públicas locais.
Liliana Vaz de Carvalho, veterinária e responsável pela área da relação da cidade com os animais, alertou que, “o abandono de animais e a debilidade económico-social das famílias estão intimamente relacionadas. A pouca mobilidade social e a vida no limiar da subsistência condicionam a evolução da relação do ser humano com os animais de estimação”. Sugeriu a criação de um, cartão municipal de “detentor responsável” com acesso a um conjunto de serviços veterinários a preços controlados”.
Seguiu-se a intervenção da muita assistência presente com boas questões, contraditório e sugestões como, fazer-se uma auditoria à câmara, preocupações com a Petrogal, o crescimento de novas torres, concursos públicos na câmara, entre outros.
Joaquim Jorge informou que as várias questões selecionadas serão colocadas no Facebook, na próxima semana e os cidadãos podem dar o seu contributo.

 

TVSH 2021

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *